quinta-feira, 12 de julho de 2012

Tentativa de Roubo do Busto do Poeta Pardal

No início da semana, um prevaricador mal intencionado, ainda não identificado pela polícia tentou roubar o busto em cobre em homenagem ao Poeta Pardal situado no parque com o mesmo nome. Enquanto decorria o acto ilícito e que muito nos pesaria se fosse levado a bom porto,  o sujeito foi interpelado por um elemento do executivo da Junta de Freguesia que devido à sua acção rápida recuperou o busto.
O prevaricador colocou-se em fuga. Asseguro-vos que o busto encontra-se salvaguardado no interior das instalações da Junta de Freguesia.

 Busto de Manuel de Brito Pardal "Poeta Pardal"

"Eu ser aquilo que sou...
Muitos não são, querem ser.
Já nasci com este dom,
Não foi preciso aprender."

 Púlpito 

"- Bem podias tu, Pardal,
Casar com a Cotovia!
- Eu podia... mas não quero,
Que ela toda a noite pia!"


Púlpito aproximado

"Trabalho uma vida inteira
Com uma pesca na mão:
Não sei qual é a manera
Que não apuro um tostão."


Manuel de Brito Pardal, nasceu em Quarteira em 1916, faleceu na década de oitenta do século XX. Conhecido como o único poeta popular português que foi pescador, a sua obra foi compilada por J.R. Brazão e é publicada em 1977 com o nome "Em Cima do Mar Salgado".

Foto de Álvaro Tavares

Santos, Manuel, Subsídios Para a História da Poesia do Algarve (Séc. XI - XX), Edição «Voz de Silves» e «Gazeta de Lagoa» 10 de Junho de 2000.

1 comentário:

  1. eu ser aquilo que sou...muitos nao sao e querem ser.ja nasci com este dom,nao foi preciso aprender.!!! por QUARTEIRA fos te homenagiado veio um gajo a correr queria levar a estatua para outro lado!!!

    ResponderEliminar

Obrigado pelo seu contributo.