quarta-feira, 8 de maio de 2013

Jornal a Voz de Loulé - "João Carlos Santos lança livro Quarteira - Um Pequeno Centro Cosmopolita (Séculos XIX e XX)"

Dia 13 de Maio de 2013, Segunda-feira às 11:00 no Auditório do Centro Autárquico de Quarteira, estão convidados a assistir à apresentação do meu novo livro "Quarteira - Um Pequeno Centro Cosmopolita (Séculos XIX e XX)", conto com a vossa presença! 

Às 18:30 na Biblioteca de Quarteira, (antiga Junta de Freguesia de Quarteira) sessão de autógrafos. 

Um grande abraço.

2 comentários:

  1. TERRA QUARTEIRA
    Mais conhecida por Vilamoura,
    era antes a Quinta do Morgado.
    Veio o Turismo com sua «vassoura»,
    e descobriu ali outro Mercado,
    e isto para muitos não desdoura,
    antes p'lo contrário,é bem olhado.
    Dos terrenos,o prêço especulativo,
    subiu em flecha,por tal motivo.

    Haviam os «quartos»de Quarteira,
    que eram pequenas glebas cultivadas,
    e muitos levavam a noite inteira,
    puxando as cegonhas bem pesadas,
    para regar a pequena sementeira,
    e terem as vidas mais desafogadas.
    Pois Boliqueime é terra de sequeiro,
    e o Morgado tinha água o ano inteiro.

    Mas qualquer um não podia ter
    um «quarto»arrendado no Morgado,
    não era só uma questão de querer,
    era necessário ter amealhado
    algum dinheiro,para assim poder
    comprar carroça,muar e arado.
    O pobre trabalhador assalariado,
    tinha,para tal,salário minguado.

    Daí a razão que faz nascer
    a emigração,pelo Mundo fora,
    e com trabalho e muito sofrer,
    o algarvio,sua vida melhora,
    êle volta à terra que o viu nascer,
    mais desafogado do que outrora.
    Alguns até ricos regressaram,
    mas outros há,que não voltaram.

    De Norte a Sul,dum modo geral,
    a emigração é sina constante,
    dêste pobre,infeliz Portugal,
    que para muitos é infamante.
    Será isto um destino fatal
    do pobre trabalhador errante?!
    Não.É apenas a táctica da Burguesia,
    que despreza o Povo,nêle não confia.

    ResponderEliminar
  2. Era o morgado de Quarteira herdade de júdiçe fialho

    ResponderEliminar

Obrigado pelo seu contributo.